Nunca mais deixe de comer ômega 6 e ômega 3. Entenda porque

Ômega 6 e ômega 3 são ácidos graxos polinsaturados fundamentais para o bom funcionamento do organismo das pessoas. Os dois são mundialmente conhecidas como gorduras boas. Não são produzidas pelo organismo e, portanto, devem ser adquiridas através da ingestão de determinados alimentos

Mas você realmente sabe quais são os benefícios trazidos por esses ácidos graxos? Então confira aqui neste post.

Ômega 3

Conhecido como ácido alfa-linolênico (ALA), esse é o representante em maior abundância dos ácidos graxos. Os alimentos ricos em ômega 3 são principalmente as sementes de linhaça e de chia, das quais pode-se consumi-los em forma de óleo. Também é facilmente encontrado em quantidade significativa em nozes e em óleos de colza. O ALA é ajuda na manutenção das membranas celulares, funções cerebrais e transmissão de impulsos nervosos.

Quando já está presente no organismo humano, o ALA pode transformar-se em outros dois ácidos graxos do mesmo grupo e também essenciais ao organismo. São eles: O ácido eicosapentaenóico (EPA) e o ácido docosahexaenóico (DHA). Os dois estão presentes em algas marinhas e em peixes, como o salmão, o atum, a sardinha, a cavalinha. Tanto o EPA quanto o DHA podem ajudar na diminuição do nível de colesterol total e triglicérides no sangue, além de aumentar o colesterol bom (HDL).

No entanto, a conversão de ALA em ácidos EPA e DHA é limitada, pois as enzimas necessárias para processo também são usadas pelo corpo em outras funções. Por isso, recomenda-se a ingestão de alimentos que sejam naturalmente ricos em EPA e em DHA.

O excesso pode trazer malefícios

Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda somente o consumo de duas porções de peixe por semana, o que forneceria de 200 mg a 500 mg de EPA e DHA. Quantidade considerada suficiente para auxiliar na prevenção de doenças.

Isso porque o excesso de EPA e DHA presentes no ômega 3 está sendo relacionado ao desenvolvimento e ao agravamento de doenças. A verdade é que os efeitos adversos do excesso desta substância no corpo ainda são assunto muito recente, pois decorrem, sobretudo, da prática de suplementação.

São três possíveis problemas de saúde relacionados ao consumo excessivo de alimentos com ômega 3:

Hemorragias: o excesso de ômega 3 no organismo pode levar à ocorrência de episódios hemorrágicos em determinados indivíduos. Isto ocorre devido a propriedade anticoagulante do ômega 3.

Aumento do Colesterol: Apesar do ômega 3 ter o potencial de aumentar o HDL (colesterol bom) do organismo, segundo estudos do Arquivos Brasileiros de Cardiologia, o consumo em excesso dos ácidos graxos polinsaturados pode estar diretamente relacionado ao aumento do colesterol no sangue.

Câncer de Próstata: Um estudo recente publicado no Journal of the National Cancer Institute relaciona o excesso de ômega 3 no organismo à maior incidência de câncer de próstata. Porém, esta relação ainda não está totalmente clara, e, por isso, não deve ser estabelecida com base em apenas um estudo e, portanto, o tema deve ser mais explorado em futuras pesquisas.

Ômega 6

O ômega 6 é essencial para manter as funções cerebrais saudáveis mantendo o funcionamento no ritmo certo. Ele também é importante para saúde da pele, dos cabelos, dos ossos, para regular o metabolismo e manter o sistema reprodutivo funcionando.

A principal função desse ácido graxo polinsaturado é incentivar o crescimento celular, sendo fundamental para o desenvolvimento do cérebro, músculos, pele e cabelo e, por isso, que o mesmo é bastante utilizado por atletas. Outro benefício importante do ômega 6 é manter o sistema nervoso funcionando adequadamente.

Esse ácido graxo também é importante na produção de hormônios que ativam o sistema imunológico, reduzem o acúmulo de líquidos no corpo, são responsáveis pelos espasmos dos vasos sanguíneos, pela dor e a inflamação. Esses dois últimos são fundamentais para a saúde porque nosso corpo precisa da dor para prevenir danos e a inflação é uma maneira de ativar o sistema imunológico.

A carência desses hormônios pode causar uma série de problemas cerebrais como depressão, esclerose múltipla, bipolaridade, esquizofrenia, déficit de atenção, entre outros.

Ainda existem vários outros benefícios relacionados ao ômega 6. Confira:

Osteoporose

Pesquisas apontam que pessoas que tem deficiência de ácidos graxos em geral tem maior probabilidade de sofrer com osteoporose. Mulheres com mais de 65 anos que tomaram suplementos ácido gamalinolénico (GLA) [encontrado em vários óleos vegetais, incluindo óleo de prímula (EPO), óleo de Borragem e Óleo de Semente de Groselha Negra] tiveram menos perda óssea em três anos comparando as que tomaram um placebo.

Neuropatia diabética

Pesquisas apontam que o ômega 6, principalmente o GLA, reduzem os sintomas de dor nos nervos se forem tomados por seis meses ou mais. Porém, ele é mais benéfico para quem tem controle do nível de açúcar no sangue.

Câncer de mama

Um estudo aponta que o GLA inibe a atividade do tumor em pacientes com câncer de mama. Outra pesquisa mostrou que mulheres que consomem GLA passam a responder melhor ao remédio tamoxifen, comparando com as que não tomaram o suplemento. Porém, alguns pesquisadores acreditam que uma dieta rica em ômega 6 pode levar ao desenvolvimento deste tipo de câncer.

Mastalgia

Pesquisas apontam que Óleo de Prímula pode ajudar a diminuir as dores no peito de pessoas que sofrem com mastalgia clínica, além de reduzir sintomas a um mínimo em pessoas que sofrem com mastalgia não clínica. Apesar disso, é importante ressaltar que o óleo de prímula não se mostrou eficiente para dores mais severas.

Hipertensão

Estudos apontam que consumir GLA, tanto sozinho quanto combinado com ômega 3, reduz a pressão sanguínea. Uma pesquisa acompanhou homens com hipertensão que tomaram 6g de óleo de groselha (rico em GLA) e diminuíram a pressão sanguínea significantemente comparando com aqueles que tomaram um placebo.

Cientistas também estudaram pessoas com dores nas pernas causados por bloqueios de vasos sanguíneos. Os participantes tiveram uma redução na pressão arterial sistólica depois de tomarem GLA combinado com ômega 3.

Eczema

Estudos apontam que consumir óleo de prímula ajuda a reduzir os sintomas de eczema. Porém um estudo que observou pacientes que tomaram o óleo de 16 a 24 semanas não encontrou nenhuma melhora.

Alergias

O ômega 6 é popularmente famoso por diminuir os sintomas de alergias. Um estudo mostrou que mulheres alérgicas tem menos GLA no sangue e leite materno do que as que não são alérgicas. Porém, não há estudos que comprovam a relação.

Déficit de atenção

Uma série de pesquisas sugere que crianças que sofrem com déficit de atenção tem baixos níveis de ácidos graxos, que são fundamentais para a saúde cerebral e comportamental. Porém, pesquisadores que deram óleo de prímula para pacientes não encontraram resultados.

Efeitos Colaterais

Como alguns ácidos graxos ômega 6 ajudam a desenvolver inflamações, é preciso ter cuidado com o seu consumo. Alguns estudos apontam que o excesso de ômega 6 pode estar relacionado com a Síndrome Dolorosa Regional Complexa.

Pessoas que sofrem com distúrbio convulsivo, devem tomar cuidado extra. Isso porque existem relatos de que suplementos, como o Óleo de Prímula, causam convulsões. Os relatos pioram em caso de combinação com anestésicos.

Outras preocupações devem ser tomadas como não consumir fontes de GLA durante a gravidez uma vez que podem causar partos prematuro. Além disso, o excesso de ômega 6 pode levar ao desenvolvimento de tumor de próstata e doses acima de 3000 mg por dia de GLA podem causar aumento dos processos inflamatórios. O Óleo de Prímula também pode causar efeitos colaterais como dor de cabeça, dor abdominal, náuseas e diarreia.

 

Nunca consuma ou aplique insumos vegetais ou animais sem orientação e acompanhamento de um profissional qualificado e de sua confiança.

 

“O Ministério da Saúde adverte: não existem evidências científicas comprovadas de que este produto previna, trate ou cure doenças. ”

Onde encontrar: Você encontra esses e outros Óleos acessando este link: mundodosoleos.com ou indo até a nossa loja localizada no CLSW 504 Bloco “B” loja 46, Sudoeste, Brasília (DF).

Descarte do Óleo

O descarte não adequado dos Óleos pode acarretar entupimento nas tubulações e ainda poluir a água. Por isso, procure locais próprios para o descarte. Armazene em um vidro e dirija-se aos postos de coleta da sua cidade.

Estamos também nas redes sociais. Curta nossa página no Facebook e acompanhe novidades e artigos como esse.


Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Related Posts

ARTIGO CIENTÍFICO -Determinação do Perfil de Ácidos Graxos do Óleo da Amêndoa do Fruto do Licuri
ARTIGO CIENTÍFICO -Determinação do Perfil de Ácidos Graxos do Óleo da Amêndoa do Fruto do Licuri
TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO PERFIL DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DA AMÊNDOA DO FRUTO DO LICURI (SYAGRUS CORONATA (MARTIUS) BEC...
Read More
Saboroso e com Muitos Nutrientes, Óleo de Licuri Previne Doenças e tem usos Cosméticos
Saboroso e com Muitos Nutrientes, Óleo de Licuri Previne Doenças e tem usos Cosméticos
Mais conhecido regionalmente, o óleo extraído do semiárido nordestino pode ser usado na cozinha ou em cosméticos Pro...
Read More
Aromaterapia Para Melasmas e Manchas Escuras na Pele
Aromaterapia Para Melasmas e Manchas Escuras na Pele
AROMATERAPIA PARA MELASMAS E MANCHAS ESCURAS DE PELE Você sabia que 90% das pessoas que têm melasmas (manchas escuras...
Read More