icon

Efeito do uso tópico de óleos essenciais na cicatrização de feridas em humanos: protocolo de revisão sistemática

Resumo

Objetivo:  sintetizar  as  evidências  disponíveis na  literatura sobre  o  efeito do  uso  tópico  de  óleos  essenciais na cicatrização  de  feridas  em  humanos.  Método:  o  protocolo  dessarevisão sistemática  foi  desenvolvido conforme  o PRISMA for  systematic  review  protocol se está registrado na base de dados PROSPERO(CRD42021269456). A busca  dos  estudos  será  realizada  nas  bases  de  dados MEDLINE via  PubMed,  LILACS,  EMBASE,  CINAHL, Cochrane  Central  Register  of  Controlled Trials, Web of Science eScopus. A busca manual  ocorrerá  por  meio  das referências  dos  estudos  selecionados. A literatura  cinzenta também  será  pesquisada. Dois  revisores  participarão  da seleção  dos  estudos  de  forma  cega  e  independente.A  avaliação  do  risco  de  viés  será realizada  com  as  ferramentas ROB-2.0  para  estudos  randomizados  e  ROBINS-I  para  os  estudos  sem  randomização.A análise  da  qualidade da evidência será  feita  com  os instrumentos propostos pelo Joanna Briggs Institute. A  análise  quantitativa  dos  estudos incluídos será representada por a metanálise, no entanto, caso não seja viável, os dados serão apresentados mediante análise  descritiva. Considerações  finais:  os  resultados  dessa  revisão  sistemática poderão  contribuir  para  a  prática baseada em evidência quanto ao uso de óleos essenciais na cicatrização de feridas.

Introdução

Os  óleos  essenciais  (OEs)  são  definidos  como  um  composto  volátil,  secundário  e  lipossolúvel,  com  odor  forte  e concentrado  formado  por substâncias vitais.  São extraídos de plantas aromáticas e medicinais por meio de  processos específicos,  podendo  ser  encontrados  no  exterior  das  folhas,  na  película  das  frutas  cítricas  e  nas cascas de  algumas árvores (Farrar & Farrar, 2020). As  propriedades farmacológicas  atribuídas  aos  OEs  são  diversas  além  de apresentarem diferentes  propriedades biológicas, comoa ação larvicida, atividade antioxidante, ação analgésica e anti-inflamatória, fungicida e atividade antitumoral (Gnatta et al., 2011). Têm efeitos citofiláticos e curativos no organismo humano, controlam a multiplicação e a renovação das células (Eriksson et al., 2022). Uma das possibilidades de uso dos OEs refere-se ao tratamento deferidas. Ferida pode ser descrita como qualquer ruptura na estrutura e integridade funcional da pele que pode ser causada, por exemplo,  por  pressão incessante,  trauma,  queimaduras,  infecções,  doenças  autoimunes,  entre  outros.  (Dealey,  2008). 

O processo de cicatrização da ferida consiste em uma série de etapas altamente complexas, interdependentes e sobrepostas que envolve: inflamação; reconstrução; epitelização e maturação (Lo et al., 2020). Essas etapas também são definidas na literatura como: homeostase, inflamação, proliferação e remodelação (Dealey, 2008).Embora haja uma sobreposição considerável entre as fases de cicatrização de feridas, a capacidade de transição para a próxima fase pode determinar se uma ferida cicatrizará adequadamente ou não (Orchard & Van Vuuren, 2019). Se porventura as fases da cicatrização de feridas não seguirem a progressão ordenada de eventos até a remodelação, frequentemente a ferida para   na   fase inflamatória   (Dealey,   2008), transformando-se   em   uma ferida   crônica.      Além   do   impacto   econômico considerando-se os custos com o tratamento, as feridas repercutem também na qualidade devida das pessoas (Toscano et al., 2018; Alburquerque et al., 2014). Os fatores que podem contribuir para a redução da qualidade de vida de pessoas portadoras de  feridas são:  dores;  restrições  de  mobilidade  (devido  à  dor,  bandagens,  medo  de  lesões);encargo  financeiro;  isolamento social; dependência de outros (cuidados com feridas, limpeza, mobilidade) e e tempo de lesão (Erfurt-Berge & Renner, 2020). Com  o  aumento  da  resistência  microbiana  e  o  aumento  do  interesse  por terapias complementares  por  parte  de pacientes  e  profissionais  de  saúde,  os  OEs  demonstraram  ser  benéficos  na  supressão  do  crescimento microbiano em  feridas (Walsh et al., 2010). O óleo de copaíba e seus terpenos isolados, por exemplo, apresentam atividade anti parasitária em feridas de leishmaniose com difícil cicatrização, sendo ainda mais promissor contra as formas amastigotas de Leishmania amazonensis (Albuquerque  et  al., 2017). Óleo essencial  de  mirra  apresenta  como composto vegetal  o sesquiterpeno, que tem propriedades antisséptica,  antibacteriana,  antifúngicas  e  anti-inflamatória, é  um  óleo  utilizado  com  sucesso  para  tratamento  de  úlceras  e feridas na medicina chinesa (Walsh et al., 2010). Calendula officinalis também conhecida como marigold tem seus efeitos no processo de cicatrização descritos por sua propriedade antiflamatória e por contados triterpenos que estimulam a migração e proliferação  de  fibroblastos  (Pereira  &  Bártolo,  2016).  Moradi etal.(2020) conduziram  uma revisão  sistemática  de  ensaios clínicos que identificou o óleo essencial de lavanda eficaz para a cicatrização de feridas de episiotomia e alívio da dor, o que é um resultado de grande ajuda para pacientes e profissionais de saúde. A necessidade de soluções que viabilizem a cicatrização de feridas tem impulsionado o estudo de novas alternativas. Por  conseguinte, os OEs podem ser arte fato promissor em relação ao tratamento deferidas,  cenário  no  qual  o tratamento de infecções e inflamações ainda são  questões importantes.  Assim  esse estudo  tem  como  objetivo sintetizar  as  evidências disponíveis na literatura sobre o efeito do uso tópico de óleos essenciais na cicatrização de feridas em humanos.

...

Considerações Finais

Com  um  número  crescente  de pessoas  portadoras  de  feridas  no  mundo  é importante  que  os  profissionais  de  saúde estejam  cientes  das  aplicações,  benefícios e riscos  do uso de OEs  para  o tratamento de feridas.  Uma  possibilidade  do  uso desses  óleos  seria  sua  incorporação  em curativos,  uma  vez que  podem  prevenir ou  tratar infecções  em  feridas  e  auxiliar  na regeneração de tecidos, além de ser uma alternativa de terapia integrativa e complementar aos tratamentos já disponíveis. Os  resultados  dessa  revisão  sistemática  poderão  contribuir  para a  prática  baseada  em  evidência  quanto  ao  uso  de óleos essenciais na cicatrização de feridas ou evidenciar lacunas e direcionar para a necessidade de estudos futuros.

Fonte: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36096/30233


1 comentário

  • Solicito cotação+frete para 19023000, para os óleos 250ml
    Lavanda
    Melaleuca
    Copaíba
    Pariri
    Grato

    Celso Brandao

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Related Posts

3 óleos essenciais que ajudam no tratamento da asma
3 óleos essenciais que ajudam no tratamento da asma
Uma parte considerável da população mundial sofre por ter que lidar com a asma. A asma é uma doença que afeta as vias...
Read More
Benefícios da Nogueira
Benefícios da Nogueira
  Árvore da família Juglandaceae, originária da Europa e da Ásia, a Nogueira pode alcançar os 25 metros de altura. Su...
Read More
Para que Serve a Pata de Vaca
Para que Serve a Pata de Vaca
A pata-de-vaca, também conhecida como unha-de-vaca, mão-de-vaca ou unha-de-boi, é uma planta medicinal rica em flavon...
Read More