ÓLEOS ESSENCIAIS PARA CONTROLAR A FEBRE

ÓLEOS ESSENCIAIS PARA CONTROLAR A FEBRE
 
Você sabia que para cada 1º de aumento na nossa temperatura corporal, o consumo de energia do nosso organismo é 12% maior do que o normal?
 
A elevação anormal da nossa temperatura corporal configura um quadro febril, uma reação do nosso organismo que ocorre normalmente frente à presença de algum tipo de infecção, também podendo estar atrelada a algumas outras disfunções ou doenças específicas.
 
Geralmente a febre costuma se extinguir de modo natural, à medida que o próprio sistema imunológico atua, contudo, em algumas condições pode ser persistente, trazendo em seu encalço não somente certos desconfortos, como podendo comprometer as atividades vitais do nosso organismo.
 
Um estudo realizado na Universidade de São Paulo (USP) demonstrou que o citral, princípio ativo dos óleos essenciais de capim-limão var. flexuosus (Cymbopogon flexuosus), capim-cidreira (Cymbopogon citratus), melissa (Melissa officinalis) e litsea cubeba (Litsea cubeba) é antitérmico e pode contribuir no controle da temperatura corporal, atuando na prevenção ou redução de quadros de febre, especialmente em quadros de inflamações agudas.
 
Realizado em condições laboratoriais com cobaias o citral foi empregado internamente como pré-tratamento, na concentração de 100 mg/kg. Os resultados foram comparados com um tratamento realizado com solução salina.
 
O pré-tratamento demonstrou exercer controle sobre respostas fisiológicas características de estágios febris como o tempo de duração da febre e o aumento de citocinas pró-inflamatórias. Além disso, também exerceu efeito anti-inflamatório, apresentando potencial adicional para o controle sistêmico da inflamação.
 
O citral é uma junção de dois isômeros: o neral e o geranial, e além das propriedades termorreguladoras evidenciadas pelo referido estudo, também é antinociceptivo e anti-inflamatório, auxiliando no controle dos desconfortos provocados pela febre.
 
A nossa temperatura corporal é controlada pelo hipotálamo, região do cérebro que dentre suas diversas funções age como uma espécie de termostato, mantendo os nossos órgãos em uma temperatura média de aproximadamente 37ºC. Quando estamos sob ameaça de alguma agressão, seja por um agente interno ou externo, o nosso organismo libera substâncias que interferem no hipotálamo, ou seja, no “termostato” desencadeando assim o aumento da temperatura corporal. Alguns especialistas afirmam que a febre é uma parte do mecanismo de defesa do nosso organismo, outros já a apontam apenas como uma resposta fisiológica do processo de ativação do sistema imunológico.
 
COMO USAR O ÓLEO ESSENCIAL PARA ESTA CONDIÇÃO? A inalação é o método mais prático e rápido de se usufruir dos benefícios dos óleos essenciais, que por meio das vias respiratórias podem atingir diretamente a região cerebral, como o hipotálamo, auxiliando neste caso o controle de estágios febris.
 
Quer conhecer de perto os benefícios dos óleos essenciais?
 
Você encontra todos os produtos da Laszlo em nossa loja
 
 
#PraCegoVer: Imagem de um homem negro deitado sobre a cama. Os seus olhos estão fechados e tem uma das mãos sobre a testa. Por meio de sua expressão facial denota sentir dor. Com a outra mão segura uma xícara e tem um cachecol enrolado sobre o pescoço.

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Related Posts

Aromaterapia Para Melasmas e Manchas Escuras na Pele
Aromaterapia Para Melasmas e Manchas Escuras na Pele
AROMATERAPIA PARA MELASMAS E MANCHAS ESCURAS DE PELE Você sabia que 90% das pessoas que têm melasmas (manchas escuras...
Read More
Óleos Essenciais Podem Ser Alternativa Para Conservar Alimentos
Óleos Essenciais Podem Ser Alternativa Para Conservar Alimentos
Óleos Essenciais Podem Ser Alternativa Para Conservar Alimentos   Utilizados pelos chineses há mais de 4 mil anos, os...
Read More
Inalação com Óleos Essenciais
Inalação com Óleos Essenciais
INALAÇÕES COM ÓLEOS ESSENCIAIS   A INALAÇÃO é indispensável para quem tem problemas nas vias respiratórias. A inalaçã...
Read More